terça-feira, 6 de junho de 2017

Encontro Brasileiro Motricidade orofacial UFMG
Alimentação com Viviane Fonoaudióloga, Letícia Nutricionista, Johanna Terapeuta Ocupacional e Patrícia Fonoaudióloga.
Palestra Johanna Franco Terapeuta Ocupacional sobre Integração Sensorial na Alimentação



domingo, 5 de fevereiro de 2017

Sindrome Down e Integração Sensorial

 O uso da abordagem de Integração Sensorial pode beneficiar os processos de desenvolvimento de crianças com Down e contribuir de forma positiva com o tratamento médico e multidisciplinar, pois elas enfrentam, em sua maioria, problemas no processamento de estímulos sensoriais: vestibular, proprioceptivo, tátil, visual e auditivo.

A alteração do processamento nestes sistemas pode interferir de forma significativa na atenção, aprendizagem escolar e no desenvolvimento de habilidades motoras. A presença de hipotonia, hipermobilidade articular e comportamentos como a distração excessiva aos estímulos do ambiente e impulsividade são característicos dessas crianças. Indicam dificuldade no registro e modulação sensorial do processamento de informações vestibular, proprioceptiva, tátil e diante disso, justifica a necessidade da intervenção em Integração Sensorial.

Observa-se em crianças com este diagnóstico, comportamentos que assinalam o mau processamento vestibular e proprioceptivo, como por exemplo,  hipotonia, dificuldade na extensão do corpo e da cabeça contra a gravidade, controle postural, atrasos nas respostas posturais automáticas, tendência a buscar certos movimentos. Há dificuldade em sentir a posição do corpo no espaço e movimentar-se; atraso no desenvolvimento do feedback proprioceptivo e em geral, estas crianças apresentam movimentos mais bruscos, segmentados e com comportamento desajeitado. Muitas vezes apresentam dificuldade em perceber saciedade ou dor.

Para o sistema tátil, há evidência de problemas como a hiporrensponsividade, alteração na discriminação dos inputs táteis e da integração deles com os demais sistemas sensoriais. Dificuldade no desenvolvimento da percepção tátil o que implica numa baixa exploração dos objetos nos primeiras anos de vida, déficit na estereognosia e reconhecimento de formas. A importante lacuna nas experiências perceptuais contribuem nas dificuldades de aprendizagem e no atraso da aquisição de habilidades motoras, como por exemplo, padrões pobres de preensão e das habilidades funcionais das mãos.

Crianças com Síndrome de Down apresentam evidências no atraso do desenvolvimento da coordenação motora grossa e fina e a teoria da Integração Sensorial pode ajudar a explicar certos comportamentos e atrasos. As dificuldades que estas crianças enfrentam ao mover o corpo no espaço e processar informações sensoriais contribuem de forma negativa no desenvolvimento da ideação, planejamento e execução motora, implicando assim, numa baixa capacidade em organizar respostas motoras eficientes.

A terapia de Integração Sensorial pode beneficiar crianças com Síndrome de Down através de uma abordagem que prioriza o uso dos sistemas sensoriais de forma integrada com experiências vestibulares, proprioceptivas e tátil ao propor atividades funcionais que trabalham registro e discriminação tátil, movimentos que coordenam o corpo contra a gravidade, favorece integração bilateral, movimentos recíprocos, ideação e planejamento motor.

Além de trabalhar com habilidades motoras, as atividades na integração sensorial visam a auto regulação e modulação do nível de alerta ótimo. Esta abordagem utiliza um ambiente desafiador e seguro, com intuito de promover grande variedade de atividades que aumentam o repertório de interação e o processamento das informações sensoriais entre o corpo e o ambiente.

Fonte :http://www.integracaosensorialbrasil.blogspot.com.br/search/label
Fonte:http://topediatrica.blogspot.com.br/

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Entrevista sobre os Marcos do Desenvolvimento Infantil com a Terapeuta Ocupacional Johanna Melo Franco no Programa Bom Dia Minas na Rede Globo no dia 2 de Dezembro 2016.
 Marcos do Desenvolvimento Infantil 0-1 ano

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Revista Crefito-4 Práticas em Evidência Novembro\2016

Revista Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional- Crefito-4 mês de Novembro 2016 Práticas em Evidência.
Minha palestra Evidence sobre Trajetória Profissional

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Cobertor Ponderado




 Weighted blankets (cobertor ponderado) é uma manta de terapêutica que é feita com pesos para fornecer entrada proprioceptiva no corpo. A entrada proprioceptiva sensação profunda dos músculos, articulações e tendões que significa consciência da posição do corpo no espaço.



O cobertor ponderado pode ajudar seu filho dormir durante a noite, reduzir a ansiedade e estresse, diminuir a inquietação e irritabilidade e melhorar atenção.

 

O cobertor ponderado é indicado para as crianças com Transtorno Processamento sensorial, autismo, TDAH, Síndrome Down e outros. Antes, converse com a Terapeuta Ocupacional em Integração Sensorial do seu filho sobre o uso do cobertor ponderado.

Contato venda Shirley (31)97876421 

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Curso de Medida de Processamento Sensorial SPM

Curso Medida de Processamento Sensorial SPM com Diane Parham
Eu e Dra. Diane Parham
Diane Parham, Márcia Rezende e Lívia Magalhães


Palestra no Evidence Crefito-4 sobre Trajetória Profissional

Minha palestra no Evidence Crefito-4 sobre Trajetória Profissional


segunda-feira, 3 de outubro de 2016


sexta-feira, 30 de setembro de 2016

No dia 8 de Outubro minha palestra no Evidence do Crefito-4

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Desenvolvimento da Motricidade Fina - competências manipulativas

Quando falamos de motricidade fina ou competências manipulativas estamos nos referir-nos a várias ações,que podemos resumir da seguinte forma:
1- Alcançar- extensão ou movimento do braço para agarrar um objeto
 2- Agarrar -apanhar um objeto
3- Carregar ou transportar -segurar e levar um objeto de um lugar para outro
4-Soltar voluntário -deixar intencionalmente o objeto que tinha na mão, num tempo e espaço específico.

5- Uso Bilateral das mãos -utilização conjunta das mãos para realizar uma atividade.

6- Manipulação na mão - ajustamento da mão, de um objeto. depois de agarrar. Exemplo: agarrar um lápis e posicionar corretamente para colorir ou escrever


7- Destreza- capacidade para realizar pequenos movimentos com as nossas mãos, de forma precisa, eficiente, com acuidade sem esforço.

Normalmente, só quando a criança vai para pré-escola é que se começa a falar do desenvolvimento da motricidade fina e,também nesta fase que alguns adultos começam a notar dificuldades na criança,caso elas existam. É também na pré-escola que normalmente se toma mais atenção á forma como pintar dentro do contornos,cortar com tesoura, pegar no lápis, abotoar botões e comer com talheres.

Fonte:A criança e motricidade fina ;Paula Serrano e Cira de Luque


 

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

O que é motricidade fina ?


Quando a maioria dos pais pensam no desenvolvimento dos seus filhos normalmente lembram-se a idade em que sentaram, engatinharam e andaram. Se lhes perguntarmos a idade em que começaram a apanhar objetos pequenos entre o polegar e o indicador, ou em que idades começaram a passar um objeto de uma mão para outra, verificamos que normalmente não prestaram atenção a estes aspectos do desenvolvimento motricidade fina.
O desenvolvimento motor fino é a maneira como usamos nossos braços, mãos e dedos. O que inclui alcançar, agarrar e manipular objetos, tais como tesoura,lápis, talheres. Ou seja, é a capacidade de usar mãos e dedos de forma precisa, de acordo com exigências da atividade e refere-se competências necessárias para manipular um objeto. 
O desenvolvimento da motricidade fina é essencial para interação da criança com meio e acontece quando a criança se relaciona com objetos e usa ferramentas,por exemplo nas atividades de vida diária. A sua maturação faz-se desde o nascimento,numa interação contínua com desenvolvimento motor global.

Fonte: A criança e a motricidade fina; Paula Serrano e Cira de Luque
 Curso de Motricidade Fina em Campinas com Juliana Gutiérrez MA OTR\L e eu Terapeutas Ocupacionais Talyta e Patrícia.
Eu e a Terapeuta Ocupacional Sabrina
Curso de Alimentação em Campinas eu e Fonoaudióloga Camila Ramos

domingo, 17 de julho de 2016

Como fazer espuma areia?

Areia e espuma são uma perfeita combinação para exploração sensorial. 
 Uma atividade composta usando apenas dois ingredientes :areia e creme de barbear.
  As crianças vão adorar explorar e experimentar essa sensação de textura macia através das mãos e os dedos. Respeite nível tolerância da criança. O Brincar deve ser prazeroso e divertido!

Lançamento do Livro Lagarta Vira Pupa em Belo Horizonte-MG

Lançamento do Livro Lagarta Vira Pupa - a vida e os aprendizados ao lado de um lindo garotinho autista da querida Andréa Werner
Livro Lagarta Vira Pupa
Eu e querida Andréa Werner (Amo seu Blog Lagarta Vira Pupa)
 Eu e Theo lindo (filho da Andréa Werner)

domingo, 29 de maio de 2016

O brinquedo multisensorial - Os O-Rings

Olha que legal esse brinquedo multisensorial que chama Os O-Rings. Vi no site www.indiegogo.com 


são quatro anéis empilháveis, de tamanhos diferentes. Cada anel é uma cor diferente, peso, densidade, enchimento e textura.
estimula o aspecto sensorial através das texturas (tátil) , tamanho e peso (proprioceptivo) e motora.
 pode ser feita como um assento ou uma brincadeira
Subir, correr com obstáculos, pular amarelinha, esconder, túnel...
  Empilhar, arremessar, carregar e puxar são outras dicas com anéis de texturas, tamanhos e cores diferentes.

domingo, 22 de maio de 2016

Trapeze Swing Bar

O equipamento suspenso chama Trapeze Swing bar estimula sensações proprioceptiva e vestibular


força de extremidades superior como cintura escapular, ombro, braços e mãos 

 desenvolver os músculos da extremidade superior podem melhorar controle postural de tronco superior e ajudar nas habilidades motoras finas, incluindo escrita.

as crianças podem balançar para trás e para a frente (vestibular)
 

Posição W

Vou compartilhar no meu blog, o post do Dr. Evandro Amorim Pediatra. Excelente postagem sobre posição em w das crianças

Na posição em W a criança obtém um aumento da base de sustentação do corpo, desse modo ela consegue ficar mais estável sem ajustes posturais.


No entanto, apesar de maior estabilidade, essa posição favorece a instalação de encurtamentos musculares e contraturas, além de maior risco de luxação do quadril.
 
Além disso, a estabilidade que a posição garante, não permite à criança exercitar seu equilíbrio, limitando os movimentos de rotação do tronco e transferências laterais (alcançar um objeto que encontra-se ao lado, por exemplo).

Crianças que sentam nessa posição devem ser corrigidas para adotar posturas alternativas! 

Corrija sem brigar ou dar atenção ao lado negativo, apenas mostre uma opção mais saudável para que a criança continue suas atividades tranquila! 

Antes que os radicais reclamem que "hoje em dia não pode nada... no meu tempo era assim/assado...", coloquei 4 modelos de como sentar de modo correto! 

O problema não está no “de vez em quando” sentar assim. Está que a frequência leva ao hábito, e o hábito à lesão... Se podemos alterar o hábito, por que deixar de fazê-lo?

sábado, 14 de maio de 2016

Adaptador de lápis




O adaptador de lápis é uma pequena espuma ou uma fixação de plástico moldado para um lápis; fornece suporte ergonômico da mão em posição tripé (indicador, polegar e dedo médio). O objetivo da adaptação é  ajudar a criança (ou adulto) uma preensão funcional do lápis.  



Existem vários no mercado (Pencil grip, Claw pencil grip, Crossover pencil grip). O tipo de adaptador e tamanho não servem para todos as crianças

A escolha de um adaptador de lápis para a criança irá depender de vários de fatores incluindo:
- a forma como os dedos são posicionados sobre o lápis
- os movimentos dos dedos durante a escrita
- a força exercida sobre o lápis
- o tamanho do mão da criança
- idade da criança

Os adaptadores de lápis são confortáveis, suaves e permite  o movimento dinâmico dos dedos na escrita.  Eles são adequados tanto para canhotos e  destros
Uma Terapeuta Ocupacional pode avaliar e indicar o melhor tipo de adaptador para seu filho.